[Artigo] O design e a crise

 

Desde o começo deste ano, os meios de comunicação vem alardeando aos quatro cantos que o país atravessa uma grave crise e que estamos em recessão. Estamos? Até que ponto acreditamos estar vivendo sim um momento ruim, ou tudo é fruto da massificante crença de que se está nos noticiários é verdade….

Queremos aqui, fazer uma reflexão sobre o papel do design nestes tempos de economia estagnada. Infelizmente, nosso maior patrimônio – nossos clientes – não conhecem ou não reconhecem o valor do design nestes momentos. Acreditam este ser um investimento supérfluo e o primeiro item a ser cortado da lista de pagamentos.

Segundo Gui Bonsiepe, “Parte da crise do design está ligada ao fenômeno sociocultural dos anos 1990 quando o conceito “design” experimentou uma explosão na mídia, o que levou a uma perda do rigor do significado original com a consequência de que hoje o termo, na opinião pública, é frequentemente reduzido aos aspectos estético-formais e associado ao efêmero, ao caro, ao pouco prático e até ao supérfluo”.

O design oferece soluções, a melhor forma de fazer uma comunicação, uma estratégia, um posicionamento deste produto ou desta empresa, levando em consideração aspectos psicológicos, sociológicos e até antropológicos.

“(…) o Design não é orientado em primeiro lugar para a criação de novos conhecimentos, mas sim, às práticas da vida cotidiana. (…) não em termos de eficiência física como acontece nas engenharias, mas sim, em termos de comportamento inserido na dinâmica cultural e social.” Gui Bonsiepe

Costumamos dizer que o designer é “solucionador de problemas”, aquele que sempre acredita que um produto ou serviço melhorar…

“Uma das características básicas do design consiste em desenvolver novos produtos por meio de um processo holístico de solução de problemas. Todo projeto de design surge de um
problema, de uma necessidade, de uma situação mal resolvida… de uma crise! São as falhas, 
as faltas, as dificuldades, as deficiências, as inexistências, as carências, as ausências, as insuficiências, as lacunas que dão início e abastecem o processo criativo do design. O designer nasce, vive e morre tentando resolver algo que ainda não está bom; ele já está acostumado a conviver num ambiente cheio de obstáculos, em que a cada etapa do projeto surgem dificuldades que terão de ser superadas, seja do ponto de vista sócio-cultural (do usuário, do consumidor, da comunidade, da humanidade), seja econômico (do fabricante, do vendedor, do fornecedor), político (do governo) ou sustentável (do meio ambiente). E isso é bom, saudável e faz com que os desafios se tornem cada vez maiores. A criatividade e a habilidade na resolução de problemas, o pensamento econômico e a responsabilidade sócio-cultural são algumas das características que o designer deve ter. Estão (ou deveriam estar) intrínsecos na formação desse profissional.” (Facca, 2009)

E como o design pode ajudar em tempos de crise?

Esta resposta pode ser obtida através de alguns conceitos.  Um destes conceitos é o design thinking que nada mais é do que uma sistematização metodológica do que o designer sempre fez de melhor, e deve continuar fazendo, solucionando os problemas com criatividade e inovação.

Segundo Facca, o design thinking  é uma “metodologia que engloba todo o espectro das atividades da inovação com o design centrado no ser humano. A inovação é potencializada pelo pleno entendimento, pela observação direta do que as pessoas querem e precisam em suas vidas e do que elas gostam ou não gostam sobre a maneira particular em que os produtos são feitos, embalados, comercializados, vendidos ou sustentados.” 

Uma das principais mudanças percebidas neste últimos tempos é que o design está deixando de projetar somente para um  indivíduo, mas pensando na Humanidade de uma forma geral. O pensamento do designer deve ser horizontal e complexo. A responsabilidade assim também aumenta, transformando o designer em um agente importante para a formação de uma consciência melhor. Seja em tempos de crise ou não.

Texto: Janaina Ramos Marcos

Fontes consultadas:

Design e a Crise – Gui Bonsiepe

Artigo: Como o designer pode ajudar em epoca de crise. Disponível em <www.maua.br/arquivos/artigo/h/c9f5aedd3bf35fa89cd02563359e8d12>